Como a aprendizagem matemática facilita o desenvolvimento humano?

Antes de tudo, é preciso ter em mente que a maneira que lidamos com os problemas matemáticos é a maneira que lidamos com os problemas em nossa vida.

Neste sentido, desenvolver uma mentalidade adequada diante dos problemas matemáticos pode facilitar o nosso desenvolvimento. Veja neste artigo como a aprendizagem matemática pode facilitar o seu desenvolvimento enquanto ser humano.

Zona do Flow na aprendizagem matemática

Você já percebeu como é seu estado emocional quando lida com problemas muito mais desafiadores do que seu nível de habilidades? Quando isso acontece, tendemos a ficar ansiosos, aflitos e com frequência procrastinamos aquela atividade, não é mesmo?

Por um lado, o que acontece quando você tem que lidar com problemas cujo nível de desafios é muito baixo e o seu nível de habilidades é alto? Neste caso, nos sentimos apáticos, entediados e sem motivação para avançar.

Por outro lado, o que aconteceria se o nível de desafios estivesse equilibrado segundo o nível de habilidades? Neste caso, nos sentimos estimulados, no controle ou alcançamos um estado ótimo de consciência. Esse estado ótimo é o que o professor Dr. Mihaly Csikszentmihalyi denominou de flow, ou zona de fluxo.

Gráfico sobre estados emocionais quando combinamos o nível de desafios segundo o nível de habilidades.
Gráfico do Flow, por Mihaly Csikszentmihalyi. Obtido em Wikipedia.org

Todavia, o que é que tudo isso tem a ver com aprendizagem matemática? Tem a ver justamente na personalização de nossa aprendizagem. Assim como acontece em matemática, o tempo todo temos de lidar com problemas. Selecionar problemas desafiadores que valorizem nosso nível de habilidades é uma competência útil que precisamos adquirir. Agora, se for difícil pra você selecionar atividades que te desafiem de maneira satisfatória considere contratar o auxílio de um mentor para sua aprendizagem.

Valorização do erro como forma de aprendizado

Um dos livros de maior influência sobre mentalidade de sucesso é o livro “Mindset” da Dra. Carol Dweck. Nesse livro, a autora identificou dois tipos de mentalidade: A mentalidade de crescimento e a mentalidade fixa.

Por exemplo, pessoas com a mentalidade fixa, acreditam que as habilidades são inatas e pouco se pode fazer para melhorar. Além disso, elas tendem a escolher as atividades que já estão familiarizadas, pois temem errar. Enquanto isso, as pessoas com a mentalidade de crescimento, acreditam que podem atingir um patamar elevado de habilidades, no que quer que seja, mediante a dedicação e esforço.

Desse modo, as pessoas com mentalidade de crescimento tendem a escolher novas atividades, que já não tenham se envolvido antes. Frequentemente, elas valorizam o erro como forma de aprendizado. Não à toa, a pesquisadora identificou que as pessoas de maior sucesso eram justamente as que possuíam uma mentalidade de crescimento.

Mentalidade de crescimento e aprendizagem matemática

De acordo com os estudos da Carol Dweck e em outras fontes de pesquisa científica, a Dra. Jo Boaler elaborou um programa para despertar o potencial dos estudantes. Dessa forma, a matemática é apresentada como uma disciplina criativa, através de mensagens inspiradoras e ensino inovador.

Como resultado, em seu livro “Mathematical Mindsets“, Jo Boaler apresenta insights e informações úteis sobre como podemos curar nossa sociedade da ansiedade e aversão à matemática. Neste sentido, ela desfaz vários mitos acerca da matemática e indica como:

  • Sentir-se confortável estando errado/a;
  • Tentar ideias aparentemente loucas;
  • Estar aberto/a a diferentes experiências;
  • Lidar com novas ideias sem julgá-las;
  • Estar disposto/a a ir de encontro a ideias tradicionais;
  • Continuar tentando apesar das dificuldades.
Capa do livro Mathematical Mindsets da autora Jo Boaler.

Dessa forma, seus estudos indicam o que pode ser o maior benefício da aprendizagem matemática para o desenvolvimento humano: O cérebro literalmente se desenvolve quando aprendiz se depara com o erro e questões ambíguas. Com isso, são geradas novas conexões neurais de maneira muito mais intensa do que quando não há erro ou falha.

Importância do sentimento de conforto diante do erro

Embora já tenhamos falado sobre isso, vale frisar a importância de valorizar o erro como oportunidade de crescimento. Uma vez que entendemos que o erro é o maior aliado ao desenvolvimento que gostaríamos de experienciar, passamos a nos sentir confortáveis e até mesmo a buscar o erro. Afinal, é aí que moram as oportunidades de maior aprendizado.

Testar ideias aparentemente loucas sem julgar

Por outro lado, as habilidades matemáticas têm tudo a ver com criatividade e inovação. Muitas vezes, para se chegar à solução de uma situação problema, precisamos pensar fora da caixa e nos arriscar por caminhos que nos tiram da zona de conforto. Dessa forma, é muito animador quando testamos uma ideia incomum e chegamos à solução de um problema. Além de fortalecer nossa aprendizagem matemática, também fortalece o músculo da criatividade e inovação. Então, arrisque-se a testar ideias aparentemente loucas!

Se disponha a ir de encontro às ideias tradicionais

Tanto quanto testar novas ideias, é importante se despir de preconceitos ou do modelo-padrão para a resolução de problemas. Isso para maximizar as oportunidades de construir uma aprendizagem matemática sólida e significativa.

Então, exercite rejeitar a primeira solução que lhe ocorre e se esforçar para encontrar uma segunda ou terceira melhor solução. Além de desenvolver sua criatividade, você ainda desenvolve a habilidade de criar soluções muito mais interessantes e incomuns.

Valorize o esforço e persista apesar das dificuldades

Na maioria das vezes, quando lidamos com problemas desafiadores, precisamos persistir apesar das dificuldades. É crucial valorizar e apreciar o esforço, pois assim é que nos desenvolvemos. Com isso, é muito gratificante e recompensador quando inicialmente não temos a menor ideia de como resolver um problema, mas após algum tempo persistindo, conseguimos chegar a uma solução satisfatória.

Em nível de pesquisa matemática científica, é bastante comum passarmos meses (ou até mesmo anos!) envolvidos na resolução de um único problema. Então, persista! Se esforce e aprecie o desconforto necessário para o seu desenvolvimento.

Conclusão

Em síntese, apresentamos acima apenas algumas maneiras de como a matemática pode facilitar o desenvolvimento humano. Primeiro com a dosagem adequada de um nível de desafio, respeitando o nível de habilidade, a fim de experienciar um estado ótimo de consciência. E segundo, através da valorização do erro como forma de aprendizado, fazendo a mudança de uma possível mentalidade fixa para uma mentalidade de crescimento.

Vimos também a importância de desenvolver ideias aparentemente loucas, sem preconceitos ou julgamentos, e como a valorização do esforço é essencial, tanto para a aprendizagem matemática quanto para o desenvolvimento humano.

Para o desenvolvimento de todas essas habilidades, é muito valioso contar com o auxílio de um professor/mentor qualificado. E nós da Matemática Revista podemos te ajudar!

Envie um e-mail para contato@matematicarevista.com.br e agente 1h de mentoria gratuita!

Continue aprendendo! Clique aqui e baixe nosso e-book gratuito “9 hacks para se dar bem em matemática”, e descubra maneiras práticas de se sobressair nos estudos.

Dr. Joaby Jucá

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *